16 dezembro 2010

Isso não vai acabar nunca?

Gente, juro que não queria tocar nesse assunto novamente, de novo, outra vez. Mas, um email que recebi hoje de uma das Psicólogas que opinaram na entrevista, me fez crer que ela, assim como eu, foi enganada e seu email mereceria ser postado aqui.
Estou fazendo isso por dois motivos:
1- Se ainda restava alguma dúvida, para que todo mundo se certifique do nível baixíssimo de profissionalismo na elaboração dessa matéria.
2- Se ainda restava alguma dúvida, para que todo mundo saiba que fazer blogs como nós fazemos é absolutamente saudável, para nós e para nossos filhos, conforme opinião de uma profissional do assunto.
Pois é...mais uma vez estou boba, de queixo caído. Leiam e percebam que quando a gente pensa que já viu de tudo, voilá... 

Olá Giovana,
Primeiramente gostaria de lhe dizer que estou escrevendo só agora pois não havia tomado conhecimento da situação antes. Quero poder conversar com você pois acredito que ambas fomos prejudicadas com a matéria da Folha de São Paulo.
Me chamo Luciana, e fui uma das psicólogas entrevistas pela repórter que fez a matéria sobre mães que mantém blogs sobre seus filhos na internet.
Gostaria de poder lhe falar um pouco sobre o meu lado da história, para poder lhe demonstrar que, ao contrário da impressão dada pela repórter, esta especialista não tem nada contra e nem critica mães que mantém blogs, pelo contrário, acho até saudável dependendo da forma como é conduzido.
A repórter me telefonou e disse que estava fazendo uma matéria sobre super exposição de crianças por seus pais na internet. Devo dizer que ela foi extremamente tendenciosa durante toda a entrevista, coisa que não costuma acontecer com repórteres de grandes mídias. Ela queria explorar o lado negativo da situação e usou uma de minhas frases completamente fora de contexto, dando a impressão que eu criticava quem mantém blogs, coisa que não é verdade. Ela simplesmente ignorou os outros 20 minutos de conversa onde eu falei que é preciso ver cada caso, o uso que se faz desse veículo e sobre as motivações das mães que os cria e veicula.
Quero deixar claro a você que admiro pessoas com iniciativa e disposição para manter um blog, que não acho que isso prejudicial ou qualquer outra coisa do gênero.
Blogs são uma maneira saudável de aproximar pessoas, compartilhar momentos entre família e amigos e de se obter informações. Existe, como em qualquer meio, a necessidade de se tomar cuidado, mas isso não quer dizer que não se deva ter um blog. Se você colocar fotos do seu filho nú, corre o risco de um pedófilo se interessar pela imagem, se você fornecer muitos dados pessoais, locais que freqüenta, corre o risco de um seqüestro. Mas de maneira em geral, as informações dadas nos blogs não levam a esse risco. Levam à diversão, bons momentos e bons novos amigos.
Nos dias de hoje, com a correria das grandes cidades, não sobra tempo para ter aquela conversa de todo dia com amigos e vizinhos como se fazia antigamente. O blog dá essa sensação de proximidade, de se poder compartilhar coisas gostosas do nosso dia a dia.
Demorei a tomar ciência dessa má edição da matéria da Folha porque tive meu bebê há 3 meses e ainda estou na fase mais família, curtindo meu pequeno e cuidando dele, mais do que qualquer outra coisa. Como estou acostumada a dar entrevistas (trabalho com psicologia e informática desde 2002, e estando em um centro de referência como a PUC, somos sempre solicitados a falar sobre o assunto) não me preocupei em ler a matéria. Só tomei conhecimento ontem, ao receber um email da ombusdman da folha, que infelizmente chegou em minhas mãos depois da publicação da resposta dela no jornal (o grupo da PUC que faço parte se reúne as quintas e segundas, e o email dela chegou na quinta após a reunião, ou seja só foi enviado a mim nesta segunda). Para você ter uma idéia do interesse da repórter, faço parte de um grupo chamado NPPI (Núcleo de pesquisa da psicologia em informática) da PUC e não da USP como ela informa erroneamente na matéria. A ombudsman poderia ter me ligado como fez a repórter, mas preferiu mandar um email dizendo que queria falar comigo apenas. Acho que eu merecia uma retratação também por parte do jornal , nem que fosse apenas em relação a instituição que faço parte.
Me senti lesada também com essa matéria. Ela me pediu entrevista com um foco diferente do que escreveu. Me disse que queria falar sobre a super exposição na internet, sobre os perigos e riscos envolvidos. Ressalto também que ela não me disse o tipo de blog que estava fazendo a matéria, apenas queria falar sobre super exposição. E pensando se tratar de uma matéria de alerta, coloquei alguns pontos que merecem atenção.Ela ignorou todos os comentários que fiz sobre o bom uso e também sobre não achar que essa geração terá problemas com público e privado, uma vez que como eles já crescem tendo a internet no seu dia a dia, seus valores serão diferentes dos que ainda vivem hoje na situação de transição. Uma frase dita fora do contexto pode ter outro significado. E foi o que aconteceu. Lamento profundamente todo o ocorrido.
Quis lhe escrever pois não gostaria ter de minha imagem vinculada à opinião de alguns especialistas que de fato criticam algo que é feito com tanto carinho, boa vontade e dedicação. Acho importante você saber que o que está lá não reflete a minha opinião. Uma pena ter tido em nossos caminhos essa repórter que não foi 100% correta com nenhum dos lados envolvidos na matéria.
Esse email será enviado com cópia para a assistente da ombudsman da Folha ( que foi quem me escreveu), acho importante que ela tenha também conhecimento do meu lado dos fatos.
Estou a sua disposição se quiser conversar.
Atenciosamente,
Luciana Ruffo
Psicóloga componente da equipe do NPPI: Núcleo de Pesquisas da Psicologia em informática da PUC-SP
Serviço de Informática da Clinica Escola da PUC-SP

22 comentários:

Rafaella disse...

Aff...cada dia que passa vejo que as pessoas so estao interessadas em fazer fama...se bem que a palavra certa nem seria essa...mas o que ressalto eh que querem se colocar em evidencia nem que para isso tenham que pisotear quem esteja pelo caminho...mais uma vez esse criatura deixou claro isso expondo nao so a vc, como tb outros profissionais....lamentavel!

Família Iki disse...

Oi Gi.
Parabéns pelo sucesso do blog, isso só mostra que estamos no caminho certo.
Não serão palavras mal ditas que nos farão mudar de idéia.
Estamos com você.
Bjos Paula e Isa

Nathália disse...

Que coisa!!
Fico feliz pelo fato de ela ter te procurado! Mostra que ainda existem profissionais de verdade,coisa que a reporter não foi!
O bom é está tudo esclarecido!! Espero que a reporter tenha a consciencia de que foi desonesta para conseguir uma boa materia e se arrependa, e que a sua superior, tome providencias, ou ela vai continuar usando pessoas e profissionais honestos para ter uma materia!

Nathália disse...

Que coisa!!
Fico feliz pelo fato de ela ter te procurado! Mostra que ainda existem profissionais de verdade,coisa que a reporter não foi!
O bom é está tudo esclarecido!! Espero que a reporter tenha a consciencia de que foi desonesta para conseguir uma boa materia e se arrependa, e que a sua superior, tome providencias, ou ela vai continuar usando pessoas e profissionais honestos para ter uma materia!

O mundo da Dani disse...

amiga pelo menos sabemos q tudo issooooo foi a mais pura ignorancia e maldade dfe uma reporter ridicula, tentando aparecer no seu emprego... pobre coitada....

bjyusssssss

Maira disse...

Confesso que esse assunto me deixa cada vez mais estarrecida...realmente foi bom termos feito nossos protestos e tudo ter tido o alcance que teve, sinão vc. iria ficar com aquela sensação horrível, agora conhece mais um lado da moeda.
Bjs.

Isadora disse...

Giovana, sou jornalista e mãe blogueira e fiquei chocada com seu caso! Fiz um post em solidariedade no meu blog. Aliás, a coisa boa disso tudo foi ter conhecido o seu : )

Luiza Novaes disse...

É uma pena que existam profissionais com tão pouca ética de trabalho...
Pelo menos ainda existem pessoas como essa Psicologa!
Que bom que com vocês duas já está tudo esclarecido!
Adoro seu blog!
Beijo Beijo

Priscila Sant'Anna: disse...

O absurdo dos absurdos Gi!

Me diz como é que pode a tal jornalista ainda estar trabalhando?
Temos que guardar bem o nome da criatura pois qualquer matéria elaborada por ela torna-se no mínimo suspeita a partir de tudo isso.

Muito legal a atitude da psicóloga em te escrever.
E muito bom teres vindo contar para nós.
Deves torcar no assunto quantas vezes forem necessárias.

Beijos
Pri e Bia

Tuka Siqueira disse...

Se vc já tinha sua conciência tranquila quanto à esse assunto, agora tem também a alma lavada. Parabéns à essa Psicóloga, que parece ser uma profissional realmente séria, diferentemente da repórter.
Mas a divulgação desse email só me faz ter mais nojo da Folha, que é um veículo muito conceituado para se prestar a esse tipo de erro crasso.

Abraços.

Carol Liôa disse...

lindo! minha raiva voltou.... tinha ate passado um pouquiho... o falta d profissionalismo viu! só ñ mando email p folha de s paulo pq quando enviei foram super ignorantes ao me responder! raiva!

Bete Strøm disse...

É complicado, como ainda existam profissionais tão desqualificados...
Sem comentários...

Beijos querida e que Deus te abençoei!

Luciane disse...

oi gi...

adorei o seu blog que conheci por causa da repercussão da materia da folha de sao paulo....

seu filho é um fofo e fiquei muito triste em saber da perda do seu bebezinho...

agora sou sua seguidora e estarei re acompanahndo sempre...


força sempre viu

bjus

Pra.Thaís Itaborahy disse...

Bjim Giovana.

Fica na paz do Senhor. Abraço no Lucca esse gatao lindo da tia.

Deus vos abençoe.

O Senhor é a nossa força e fortaleza, nao temeremos mal nenhum.

Pastora Thaís
www.palavradevidaaocoracao.blogspot.com

Ana disse...

Ave!
Muito pior do que se mostrava!
Vou fazer linkar o seu poste lá no meu blog para corrigir esse erro.
Beijos!

Baby Cebolinha (mamãe Menta) disse...

Gi, comecei a te seguir depois do ocorrido, e admiro muito seu blog!
Que baixo nível dessa reporter, hein? Profissional?? Nem um pouco.. espero que ela seja duramente punida pela empresa que a emprega,pois isso estálonge d eserum jornalismo de qualidade, informativo e imparcial,como se espera desse jornal.
bjos

Dany, Danielle disse...

Chocada ainda mais com toda essa sujeira. Essa repórter deve PRECISA se arrepender da merda que fez e PRECISA se retratar conosco.

Renatha disse...

Isso é para mostrar que voces, mamães blogueiras, estão com tudo mesmo!!!!
Dá uma olhadinha nesse link:

http://www.projetocinema.com.br/noticias-e-informacoes/the-mother-of-all-something-jessica-alba-pode-estrelar-serie-baseada-em-blog/

Beijos!

Cél disse...

Gi, isso só comprova a falta de ética total dessa jornalistazinha... mas comprova tb e principalmente, a importância do seu blog e dos blogs de mães e filhos, desse compartilhar maravilhoso, dessa troca preciosa.
E é isso que realmente importa ! O resto a gente tem mais é que jogar fora !
Bjsssss.

Micheli disse...

Que absurdo tudo isso, ao que parece essa repórter tinha algum motivo pessoal para querer fazer uma matéria tão tendenciosa e maldosa para mais de uma pessoa entrevistada. No fim das contas quem teve a imagem arranhada foi ela mesma.
Que ótimo que você publicou o e-mail.
Beijos.

Dany disse...

Essa jornalista agiu de má fé com todos os envolvidos, então... Que absurdo!!!

Mulher e Mãe disse...

Gi, você acha que tem problema publicar esse email na Mulher & Mãe?
Muitas mães lá compraram a causa e massacraram essa profissional e acho que ela foi vítima assim como você e merece ter voz também.
Você acha que ela ou você se importariam?
Você me avisa? Se quiser perguntar para ela, ou me passar o email dela eu pergunto...
Que sacanagem essa jornalista fez, hein?
A única pessoa que alertou que os profissionais podiam ser vítimas também foi a Tatiana Passagem, que agora escreve para a Mulher & Mãe...
Veja o que você acha e me avisa?
Beijos
Calu

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...