21 fevereiro 2010

Sobre a temida Alergia

Apesar do Lucca nunca ter tido problemas com alergia, isso sempre preocupa e procuro sempre ler a respeito. Semana passada o priminho Fernandinho foi diagnosticado com "urticária gigante" e pesquisando sobre Alergia, vi que a mãe do Pitoco passou um sufoco com esse problema. (Ainda bem que os dois já estão ótimos). Lá no blog ela indicou para leitura o Blog da Alergia, muito bom, e aí vai o artigo lá publicado:

" Criança pequena na escolinha é uma alegria para os pais. Mas, também pode ser sinônimo de resfriados, tosse, catarro, febre, antibióticos repetidos... Porque? Será que é alergia? Será imunidade baixa? A criança está bem cuidada na escola ou creche?

Antigamente se entrava na escola no pré-primário, como se chamava na época a pré-alfabetização. Era um ritmo diferente. Hoje tudo mudou: a mãe trabalha, as dificuldades são maiores e a criança vai mais cedo para a creche ou escolinha.

Febres, catarros: por que a doença surge?
É preciso entender que o ser humano nasce indefeso. Na realidade, os anticorpos que possui se originam da mãe, através da placenta na gravidez e do leite materno após o nascimento. Por isso é tão importante a amamentação no primeiro ano de vida.
A produção de anticorpos pelo bebê é lenta e começa mais tarde. É normal que a criança pequena, mesmo saudável, tenha uma imunidade imatura que só se resolverá com o passar do tempo, na medida em que o sistema de defesa adquire maior experiência frente às agressões. Nessa faixa de idade, a alergia não é a grande vilã na maioria das vezes. Mas pode ser uma importante coadjuvante.
Enfatizo que na maior parte das vezes, estas crianças não têm um problema sério de saúde e nem a imunidade baixa. Existem crianças que são portadoras de doenças do sistema imunológico (imunodeficiências). Mas, neste caso é diferente: o desenvolvimento infantil se altera, há uma nítida dificuldade para ganhar pêso, as infecções são severas, há necessidade de internação hospitalar e o restabelecimento é muito lento. Até a aparência da criança se altera pela doença.
Estamos falando de crianças normais e que passam por uma dificuldade própria de sua idade. Estudos comprovam que até os 3 anos de idade, é normal que uma criança tenha até 10 resfriados (viroses) por ano. Não há uma regra que sirva para todas as crianças. A maioria fica bem com o passar do tempo. Mas, algumas poderão ser afastadas até que adquiram maior resistência e possam voltar a frequentá-la.

Na verdade, nossos pais e avós tinham razão: o ideal seria começar a frequentar escolas por volta dos cinco anos. Mas é preciso viver a realidade de hoje. Então, vamos lá:

10 Dicas para pais e responsáveis

1. Ao procurar uma creche ou escola, verifique se as instalações se encontram dentro dos padrões estabelecidos pela vigilância sanitária municipal. Por exemplo, alguns dos principais fatores de disseminação das infecções respiratórias são a aglomeração de alunos numa sala de aula ou berçário de creche e o grau de ventilação e renovação de ar destes ambientes. Hoje em dia, é comum encontrarmos salas de aula e berçários de creches refrigerados. Se por um lado aumenta o conforto dos alunos, por outro diminui a ventilação e renovação de ar destes ambientes. Além disso, deve-se observar o grau de manutenção dos filtros dos condicionadores de ar, pois quando a limpeza é descuidada, pode contribuir para o agravo no aparelho respiratório das crianças.
2. Observe também a localização do colégio. Verifique se na vizinhança existem indústrias poluentes ou estabelecimentos de serviço que possam contribuir para piorar a qualidade do ar na localidade (oficinas para pintura automotiva, por exemplo).
3. Leve seu filho periodicamente ao pediatra, mesmo que esteja bem. Tanto faz que seja no serviço público, médico do convênio ou médico particular. Mas, sempre que possível, dê preferência que seja sempre o mesmo médico. Isto facilita muito as coisas já que além de haver um natural estreitamento de relações entre o médico, a criança e familiares, ele passará a conhecer melhor a criança, facilitando sobremaneira seu acompanhamento.
4. É importante ressaltar que o pediatra deve ser o maestro e poderá indicar o concurso de colegas de outras especialidades para auxílio no diagnóstico e tratamento. Se a criança for alérgica, é importante que o tratamento seja feito em harmonia com o alergista.
5. Nâo leve a criança para a creche ou escolinha se estiver febril, para evitar contaminar os coleguinhas.
6. Evite levar a criança ao pronto socorro. Se surgirem sintomas, ligue para o pediatra ou para o alergista e peça uma orientação.
7. Lembre-se: a boa saúde imunológica depende de vários fatores, incluindo uma alimentação saudável e balanceada (hortaliças, legumes, frutas, cereais, carnes, peixes, ovos, leite, etc...). Evite vícios alimentares (excesso de refrigerantes, frituras, fast food, guloseimas, etc.).
8. Mantenha a caderneta de vacinação de seu filho em dia. Quando indicado, o médico poderá prescrever vacinas adicionais. Por exemplo, crianças alérgicas se beneficiarão com a vacina anual para gripe.
9. Dentro de casa não exponha seu filho a fumaça do cigarro. Não fume e não deixe que fumem em sua casa ou junto à criança.
10. Esportes e vida ao ar livre são muito positivos. Mas, cuidado com a natação! Trata-se de um excelente exercício aeróbico desenvolvendo bastante a capacidade respiratória. O problema é que crianças alérgicas portadoras de rinite alérgica descompensada, asma não controlada e dermatite atópica podem piorar sua alergia, seja pelo exercício físico seja pelo contato com água clorada.

Quem tem piscina em casa sabe que durante o verão há necessidade de se clorar mais a água seja pela maior utilização da piscina como também pela maior evaporação do cloro em decorrência da maior insolação da estação. Saiba também que as tais “piscinas salinizadas” apesar de terem uma quantidade de cloro menor que as que recebem tratamento tradicional não são totalmente isentas deste sal. Ou seja, cada caso é um caso! Por isso, antes de iniciar a prática do esporte, converse a respeito com o alergista.

Enfim, pequenos cuidados podem no final fazer uma grande diferença. E, o mais importante: mantenha um diálogo saudável com a equipe escolar, esclareça dúvidas, informe sobre os remédios e sobre as necessidades médicas da criança.

8 comentários:

Rita Bonifacio disse...

Gi, otimo artigo, é bom ler isso antes do davi começar o ano letivo.
Linda a foto..comprei um boné igual ao do Lucca pro davi..rsrsrs
bjos
Gi recebeu meu email do video da Monja?
bjos

Vivian disse...

Oi Giovana! Acompanho sempre esse blog, acho ótimo. Sou super alérgica e tenho constante preocupação com isso. O Gá tbm nao manifestou nenhuma alergia, mas me informo sempre a respeito.
Agora com o inverno, os cuidados têm q ser redobrados. Mae sofre nessa época né!!

O Lucca está lindo!!
Bjos
Vivian e Gabriel

Jimmy S2 Roberta Galante disse...

amei o post de hoje
beijokas

Carla e Diogo disse...

Olá, passei para vos deixar um beijinho!
O Lucca está muito lindo...

Beijinho
Carla

Sofia,Pedro e Joana disse...

Obrigada pela partilha, querida Gi, nunca é demais aprender!
Beijinhos,Sofia,Pedro e Joana

Ana disse...

Valeu pela inform~ção!!!

Leia disse...

Gi estou lendo esse artigo sobre alergia e gostei muito.Meu filho lucas já nasceu com intolerancia a lactose já se vam 5 anos de constantes descobertas sobre essa super vilã,que me deixa sempre preocupada.Alem de ser alergico a dipirona tambem,ufa!quando ele esta dódoi eu e a pediatra dele temos muito cuidado com os medicamentos usados,mas graças a DEUS ela é uma ótima médica,já virou até minha amiga,ñ deu nada sem consulta-la.valeu mesmo bjs.

Fátima Emerson disse...

Passei para agradecer o link, mas adorei mesmo foi o Lucca. Ele é uma gracinha! Parabéns pelo blog e obrigado pelo link com nosso Blog da Alergia.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...